Autoeuropa apaga carteira de encomenda após greve em Setúbal

  • Read this in
  • zh-hans
  • ru
  • es
  • en

Volkswagen exports of T-Roc SUV, made at the Autoeuropa plant in Palmela, at the northern Portugal port of Leixões

A atividade frenética ocorreu na segunda quinzena de dezembro, no Terminal da Autoeuropa, no porto de Setúbal, em Portugal, para libertar uma carga de veículos presos ali por uma greve de estivadores que finalmente chegou ao fim depois de mais de um mês.

Embarcações adicionais foram trazidas para mover cerca de 23.000 veículos acabados com um valor estimado de cerca de €300m ($343m). Pelo menos 12 remessas extras foram necessárias para limpar o atraso, a primeiro das quais partiu no dia 17 de dezembro.

Outros 5.000 veículos também foram disponibilizados pela fábrica da VW em Palmela antes do início dos feriados, no dia 22 de dezembro, coincidindo com a paralisação da produção no local.

O pool de estiva do porto, Operestiva, garantiu mão de obra suficiente para lidar com o atraso.

A Autoeuropa recusou-se a discutir o impacto financeiro da greve nos seus negócios, mas o terminal teve que usar a base aérea de Montijo nas proximidades para estacionar os carros excedentes e também despachou outras remessas pelos portos de Leixões, Vigo e Santander durante a greve, todos dos quais incidiam custos adicionais.

Em comunicado, a empresa registrou: “A Autoeuropa congratula-se com o acordo alcançado e reconhece o papel decisivo que o governo tem desempenhado neste processo, bem como as outras partes envolvidas, como os operadores e os sindicatos. Está em curso um plano de logística para mitigar a situação dos veículos retidos no porto de Setúbal.”